domingo, 18 de junho de 2017

LUTO

A mãe natureza decidiu mostrar que é ela que manda … em forma de castigo dizem alguns … lançou sobre o país uma neblina atroz acompanhada por relâmpagos monstruosos, ventos fortíssimos que dançaram em todos as direções, despertou a ira de um inferno que lançou as suas labaredas consumindo tudo o que encontrava no seu caminho … nunca tinha visto nada assim … nem mesmo quando os enfrentava … é difícil lutar contra a mãe natureza, ela é imprevisível, pelos relatos que li, pela imagens que vi sei que a resposta foi a adequando e a necessária … sei porque também eu um dia combati este monstro e na alma transporto as marcas da sua ira …

Os meus sinceros sentimentos às famílias das vítimas

E o meu muito obrigada a todos os Bombeiros que arriscam a sua vida no combate a este monstro

Fica a dica #4



Brinca ... Brinca ... 
e depois num te queixes  
JUST 

Saudades desse [A]MAR




É com doçura que lembro,
Essas tuas investidas contra o meu corpo,
Ocupavas em mim um lugar como nunca ninguém o antes o fez,
Foste muito mais além do que esperaria,
Enorme na importância e nos gestos,
Vejo o tempo passar e no meu olhar lágrimas de perda e saudade,
Saudade dos teus braços,
De contigo pela mão passear,
Dos nossos sorrisos,
De adentrar-me junto a ti naquele mar,
Daquela alegria desmedida,
Dos beijos dados e roubados,
Dessas vontades atrevidas,
Foste um ser metamórfico que acompanhei,
Passando por várias fases a teu lado
Até que por fim abriste as tuas asas e contigo voei,
Foi bom tudo quanto se passou,
Foi amor, amar
Foi tudo e tão pouco que dá vontade de repetir...
Mas agora que apenas foi fica a saudade
A saudade desse [a]mar


Saudades desse [A]MAR
De Leonardo Reis

16/06/2017

["obg pela inspiração mau feitio" quando se recebe um elogio destes é de nós alimentar o EGO ... o que uma simples foto faz ...]

sábado, 17 de junho de 2017

FUCK YOU


Sinceramente se é para foder que seja o corpo sem esquecer a alma ... que para me foder a cabeça já me basta a vida ... 


FUCK YOU
Paciencia tem limites
E a minha é muito curta


sexta-feira, 16 de junho de 2017

Apetece-me #47

Apetece-me pecar
Passar todos os limites
Provocar sensações
Viver emoções
Usar e abusar dos sentidos
Provocar os mais insanos desejos
Explorar o teu como se fosse uma selva emoções
Quero usar-te
Na plenitude dos sentidos
Dos desejos
Da paixão
Despertar em ti as emoções adormecidas
É isso quero loucuras contigo, imensas
loucuras aquelas onde as palavras não são
mais necessárias, porque o silêncio do sentir
é o diálogo mais apetecível, aquele diálogo que
ambos desejamos quando nos incendiamos
mutuamente.

Apetece-me pecar contigo

Apetece-te??

sábado, 3 de junho de 2017

Pensamentos Nocturnos #14


Apenas quero por um efémero minuto entregar-me…
Sem reservas, sem medos, sem receios.
Entregar-me por desejo…
Ultrapassar todos os limites do tempo…
Todas as distâncias e …
Voar, voar livre em pensamentos
Entregar-me inteira…
Aos teus beijos quentes …
Às tuas mãos suaves
A percorrer e descobrir os segredos do meu corpo…
Aos arrepios de desejo que sinto
Quando a tua boca quente toca a minha pele
Quero sentir o teu corpo sobre o meu…
Num efémero minuto,
Quando os nossos corpos não suportarem mais o desejo,
Sentir-te em mim…
E juntos … transformados num só corpo…
Chegarmos a um lugar onde somente nós poderíamos ir
Um prazer único…meu e teu…
Quero ser tua…
Num efémero minuto


*** Efémero é o tempo ***
*** Efémero é o sonho ***

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Desejo de (A)mar

Caminhava sem destino pelas ruas, procurando resolver o louco emaranhado de pensamentos que não a deixavam ver. Passou por avenidas, ruas, ruelas, andou em contra mão, parou. Na praia, naquela praia, sempre aquela praia...

«Não percebo, não entendo, é inexplicável, digam-me porquê?!?»
Soltou este grito desesperado, mas apenas obteve como resposta o choro das gaivotas e a rebentação furiosa das ondas.

Poderá alguém viver apenas da loucura da paixão? Era este o seu pensamento, aquele que confundia todos os outros e entrava em conflito com todos os desejos e sonhos que foi construindo. Desejava o politicamente incorrecto. O vermelho carmim, quando a sua vida devia ser de um branco cristalino. Odiava-o por ter entrado sem autorização na sua vida e por tê-la transformado em alguém que ela não conhecia e não queria ser.
Odiava-o porque tinha descoberto os seus caminhos, o seus segredos... Odiava-o porque sabia que agora mais ninguém saberia tocá-la como ele, viessem 10, 100, 1000 homens depois dele.
Odiava-o porque só ele sabia como fazê-la vibrar, enlouquecer, voar, feliz, sem medo das consequências e do que os outros pensam...



E de repente caiu a noite e ela já só conseguia ver a intermitência do farol. Já tinham passado horas desde que fugira dele, dos braços dele, dos lábios dele, do corpo dele e do que ele significava.
Tinha frio, estava gelada, quase inerte quando ele chegou.
«Sabia que te encontrava aqui...»
«Sabes... é que sou doida por ti...
...não posso fugir.»


Maio/2015