sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Acompanhas-me?


Apetece(ME) Desafiar(TE)
Encontrar-te num bar de hotel como se não te conhecesse. 
Convidar-te para uma bebida e encaminhar-te a sentar no canto mais escuro e convidativo. 
Estar apenas ao teu lado, silencioso a observar-te enquanto comunicarmos apenas com o olhar profundo que nos envolve e nos seduz. 
Levantar-me e conduzir-te ao elevador...
Subir contigo e... 
Acompanhas-me?

©Mónica Pedro 
(Todos os direitos reservados Código do Direito de Autor e Lei 16/2008)

Um dia...


Um dia convido-te a trazeres só o desejo...
Um dia desafio-te a vires
Tirar-te-ei a roupa e os temores, e dar-te-ei o cheiro da minha pele e do meu desejo, livres de pudores.
Um dia envio-te uma mensagem com um destino, que não é apenas um sítio, e vou ser eu a abrir-te as portas à chegada... mas serás tu a vir e a entrar...serás tu a receber-me.
Um dia será a minha lingerie
A roupa de gala, mas não de cerimónia, para celebrar o nosso encontro, do nosso reencontro, do desejo pendente, desta paixão ardente, que nos devora o sono e nos preenche o dia...
Um dia não será apenas mais ...
Mas uma realidade de olhos nos olhos

Outono


...


quinta-feira, 21 de setembro de 2017

U understand ...




"While I can’t have you, I long for you. I am the kind of person who would miss a train or a plane to meet you for coffee. I’d take a taxi across town to see you for ten minutes. I’d wait outside all night if I thought you would open the door in the morning. If you call me and say ‘Will you…’ my answer is ‘Yes’, before your sentence is out. I spin worlds where we could be together. I dream you."

Apetece-me #52


Apetece-me SEXO
Sim ouviste bem
Apetece-me se possuída de uma forma animalesca e carnal
Sentir-te profundamente dentro de mim ... completamente rijo
Apetece-me a força brutal do encaixar do meu sexo húmido ao teu erecto
Apetece-me que se soltem os gritos e os gemidos altos e profundos
que trocamos a cada estocada impiedosa que sinto
Apetece-me sentir o poder animal que escondes em ti
Apetece-me que o soltes em mim ... 
Apetece-me  como se fosse a ultima vez que te fosse sentir em mim
Apetece-me SEXO o mais puro e duro ... SEXO
Sim ouviste bem
Apetece-me
E a TI
Apetece-Te(?) possuir-me assim(?)



terça-feira, 19 de setembro de 2017

Toca(ME)



Deslizar contínuo, envolvente que escorrega por mim, e se deixa ir na intensa vontade que se passeia e ondula por todo o meu corpo, doce arrepio de prazer, intenso e liberto, para além do suspiro arrebatador que me enche, e sufoca o deleite contido na carícia. 
Subtil promessa de paixão que prova, saboreia, confessa e envolve a sumptuosidade e a grandeza das fantasias que se soltam entre os teus dedos, descobrindo secretos anseios, revelando os caprichos que me tocam a pele, num fluir de gritos surdos que ecoam nas paredes do meu querer.
Serena meditação, na intensidade dos sentidos, que param, esperam, estremecem, e abraçam só para si, o auge do desejo prometido, que me ofereces as tuas mãos…

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Apetece-me #51


Apetece-me sentir os teus lábios acariciando a minha pele molhada
Apetece-me sentir o serpentear da tua língua 
(despertando em mim os mais insano desejos) 
Apetece-me
Apetece-te(?) 

Delírios Matinais #13

Quero o teu sexo.. Quero o teu sabor..
Quero o teu sexo quente na minha boca húmida colado aos meus lábios, enquanto a minha língua solta te explora incessantemente..
Quero o teu líquido espesso a fluir livremente para mim enquanto te lambo bem devagar nesta inquieta vontade de te sentir endoidecido 



Quero absorver todos os sinais de prazer que o teu corpo ME entrega 
Quero-te MEU

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

TU


Gostas de me ver assim à mercê dos teus desejos… completamente entregue as tuas vontades



... a Ti me entrego

Vendas(ME)


Vendas-me e dizes-me ao ouvido que me adoras e eu sorrio e deliro contigo. Gostas tanto como eu destes jogos, gostas de provocar-me, de fantasiar comigo.

Despes-me lentamente, as tuas mãos percorrem o meu corpo com desejo. Não te posso ver, só imaginar, mas sinto a tua tesão e isso descontrola-me. Ouço a tua respiração ofegante e o jogo continua...

©Mónica Pedro
(Todos os direitos reservados Código do Direito de Autor e Lei 16/2008)

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Delírios Matinais #12


Throw me against the wall.
Your power is my madness.
(It becomes pure sex)

©Mónica Pedro 
(Todos os direitos reservados Código do Direito de Autor e Lei 16/2008)

terça-feira, 12 de setembro de 2017

Sonho(TE)



Esta noite inventei-te na luxúria do meu sonhar.
Amputei-te a alma o coração ... exultei unicamente o teu corpo e os sentidos.
Quero o teu corpo, despido de quem és.
Calei-te as palavras, deite-te voz unicamente aos gemidos e gritos de prazer.
Os nosso corpos envoltos em êxtase, suados ...
Busco-te em cada fonte de prazer, percorro cada centímetro da tua pele numa descoberta cada vez mais além, sem fronteiras.
Abraço-te numa sofreguidão de um náufrago, numa ânsia devorada ...
Sonho-te ainda como poeira cintilante num céu estrelado ...
Pesadamente, afundo a cabeça na almofada e desço no abismo escuro onde naufragam todos os sonhos.
Sonho-te .....................................................

©Mónica Pedro
(Todos os direitos reservados Código do Direito de Autor e Lei 16/2008)

domingo, 10 de setembro de 2017

Sabes(?)


Todos os meus pensamentos são pecaminosos por excelência
Espero que não te importes ... porque estou a pensar em TI  

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Sabes que me apeteces ...



Apetece-me sentir o domínio das tuas garras.
O perigo da tua força, a ânsia da tua boca, a malícia do teu olhar, o teu lado animal.
Mostra me quem manda, excita-me, com tua voz firme, palavras rudes e obscenas.
Faz-me estremecer, mobiliza os meus desejos, deixa-me sem forças, para que eu consinta que faças de mim o que desejares.
Faz-me tua


quinta-feira, 24 de agosto de 2017

"Distância"

Eram 2134 os km que os separavam, durante dias ela tentou conter o desejo que a consumia, tentou esquecer aquele corpo, aquele beijo, aquele toque mas o seu pensamento teimava em trair-la e quanto mais tentava ... mais insuportável se tornava aquela ausência, mais a sua vontade aumentava, mais o desejo queimava e ela enlouquecia, o seu corpo reclama, suplicava pelo corpo dele ... e num momento de loucura transpôs a barreira da distancia e ... regressou somente para nos seus braços se perder, para ao desejo se entregar ... 


Quando os seus lábios se tocaram os seus corpos estremeceram de desejo, libertando aquela chama ardente que lhes consumia a alma e rapidamente os seus corpos nus se envolveram numa redescoberta de prazer, entre as caricias, toques e os beijos.
Ele percorreu o corpo dela, sentido na ponta dos seus dedos o calor da pele que se arrepiava, o corpo que estremecia e o olhar denunciava o seu desejo de ser amada, enquanto dos seus lábios brotavam pequenos mas intensos gemidos ...

Delicadamente ... demoradamente ... percorreu o corpo dela atiçando ainda mais o seu fogo, despertando toda a sua luxuria, humedecendo todo seu ser ... prolongando aquele momento em que ela se entregava ... em que a sua rigidez a penetrava, lentamente fazendo com que o seu corpo se arqueasse ... para o receber ... e num ritmos lento mas vigoroso manobrou o corpo dela com mestria, preenchendo toda a sua intimidade ... em estucadas lentas mas fortes apoderou-se do seu corpo, da sua alma e entregou-se ao prazer que ambos sentiam ... e os gemidos transformaram-se gritos, as palavras sussurradas saiam abafadas e sem sentido, as bocas que se comiam, os olhares que se denunciavam, os orgasmos que se intensificavam e os seus corpos que se encaixavam cada vez mais como se um só se tratasse, balançando ao som do prazer ... de um prazer tão puro ... tão louco ... tão intenso ... tão feroz. 


"A distância é como os ventos: apaga as velas e acende as grandes fogueiras."
François La Rochefoucauld

terça-feira, 22 de agosto de 2017

Jardim secreto!


Enrolados entre mantas e lençóis
com a nossa pele a descoberto
perdidos num quaisquer lugar 
oculto dos olhares,
oculto das vozes de outros...
Era hora de adentrar-me nesse teu jardim
nesse teu secreto campo de flores,
onde residem os teus mais suculentos odores
perdendo-me nesse teu recôndito lugar
vejo-me nesse morder de lábios desejosos
de adentrar-me e te fecundar,
imagino esse sorver de lábios,
enquanto esse néctar vai gotejando
ver-te contorcer numa quaisquer possessão demoníaca,
agarrando-me na minha cabeça em suplica de devora,
sentires o percorrer da minha lascíva língua 
te traz doces torturas
que em logo logo culminara 
nesse teu meu amor fluido
O amor és sujo é uma imundice que nos percorre
que nos mancha a alma
e que nos dá vontade de viver
amo amar esse teu jardim
esse teu jadim secreto
esse pecado de paladares
Até breve meu amor 
até um novo querer 
dessa imunda satisfação junto a mim

de Leonardo Reis
21/08/2017

Simplesmente porque gosto de te LER

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

5 Anos de Blog


Il Mio Peccato celebra 5 anos de vida ... 
Cinco anos de letras, frases e pensamentos emaranhadas em mim.
Cinco anos de risos e choro, de abraços e de mãos dadas, de tolices e delírios, de desejo e prazeres, de vontades e fantasias, de momentos e pensamentos (parvos e banais).
Cinco anos de partilhas, de Olás e Adeus, de viagens que ainda duram e de outras tantas que já terminaram.
Cinco anos de vocês, de nomes que vão chegando e de outros que vão saindo.
De caras que imagino, outras que sei, outras que nem sonho.
Cinco anos de pessoas que entraram na minha vida, há anos, há meses, há semanas ou há dias.
... Cinco anos ...
... de PECCATO ...
Obrigada
A TI
que me segues
que me comentas
que me lês
Obrigada

domingo, 20 de agosto de 2017

Aiiiiiiiiiiiiii Senhor

Dai-me paciência para aturar estas mentes pequenas


Anónimo Anónimo
é tão fácil vir aqui e comentar, tentar ofender e humilhar o difícil é ter inteligência para não misturar um virtual com um real 
Aiiiiiiiiiii 
Senhor dai-me paciência
para aturar estas mentes pequenas
  

Apetece-me #50

Apetece-me que mexas comigo...
Apetece-me que me tires do sério...
Apetece-me que me prendas as mente com pensamentos lascivos...
Apetece-me que me envolvas a imaginação com imagens carnais que me façam perder a razão...
Apetece-me que me provoques o raciocínio e não deixes espaço a pensamentos vulgares...
Apetece-me que me completes dessa forma que eu necessito para me sentir viva... Hoje apetece-me que o faças ... 
... Que me excites assim ... 
... mente, corpo e alma ...



Apetece-me
Apetece-te(??)

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Fantasia #4

Os braços atados à cabeceira da cama, a mordaça na boca, o corpo esguio posicionado de quatro, a respiração profunda, aquele olhar que almejava as nádegas balançando no ar. Nádegas lisas, macias como veludo vermelho. Um chicote na mão, ainda com a temeridade de usá-lo. Livrando-se do temor, rapidamente, com intrepidez usou-o desferindo a peça de couro no glúteo direito, marcando com uma vermelhidão luxuriosa a carne municiada de concupiscência e lascívia.



A temperança flamejava no olhar, a língua passava sobre a vermelhidão tentando suavizar o estremecimento do corpo. Repentinamente, duas mãos seguravam vorazmente a nádega apertando-a com força para demarcar o local onde proferiria as mordidas. Uma mordida, outra e mais outra mordida. O gemido misturava-se ao grito de dor.

Deslizando a mão esquerda, semelhante à correnteza de rio, pelas costas, desembocando os dedos na nuca, entrelaçou os dedos nos fios do cabelo que eram puxados com força, forçando o arquear do corpo, permitindo a entrada feroz do sexo que desbarbava a intimidade exposta fazendo o corpo estremecer a cada entrada violenta que pareciam produzir descargas eléctricas, o seu corpo contorcia-se e soltava gemidos seguidos por espasmos. Sua vagina, molhada, contraia e relaxava. O ritmo aumentava e os seus gemidos transformaram-se em gritos num misto de dor e prazer, sentindo toda aquela descarga animal que percorria o seu corpo, sentindo-se completamente indefesa à mercê daquele homem.


Ele sentindo-se satisfeito, desatou a sua vítima, levando-a até o centro daquele quarto, pegou numa coleira e assim a fez sua.


segunda-feira, 24 de julho de 2017

Quando as tuas mãos ...




Quando as tuas mãos desvendam os caminhos e trilhos do meu corpo percorrendo os atalhos mais escondidos … desmontando, fazendo cair todas as barreiras um dia erguidas … num mar de arrepios, num estremecer sem fim … como de um ritual se trata-se … mapeias com a ponta dos dedos o meu corpo, em ligeiros mas profundos toques que incendeiam alma … levando-me lentamente ao êxtase … guiando-me pelos caminhos do prazer … reacendendo a chama do desejo … fazendo o meu corpo entrar numa espiral ardente … Deslizas devagar pelo meu corpo … sem pressas … sem receio matando a sede deste meu anseio … no lampejo do arrepio … o meu corpo que grita por mais … 

Hoje ...


Hoje vais-me desculpar, mas vou usar-te..
Vou foder-te e fazer-te minha
Como se fosses o meu brinquedo favorito
Vou gastar a tua pele e deixar-te afónica
Vou fazer de ti a minha meretriz
Vou percorrer as tuas linhas,
Como se o sol amanhã não nascesse...
Agarra-me esta noite
Como eu te vou agarrar
Faz de mim o teu brinquedo,
O teu amante secreto
Que fodes nas horas vagas, escondidos..
Usa-me! E gasta-me a voz e a razão,
Que amanhã.. hmm, amanhã já não estou cá.

Pedro Silva 


 [Simplesmente porque existem post que merecem ser mais que partilhados, simplesmente porque amei, obrigada pela partilha] 
Baci
Peccato

sexta-feira, 7 de julho de 2017

Pensamentos Nocturnos #16

Nesse momento de silêncio, a vontade de fechar os olhos e sentir os teus lábios tocarem os meus



Nesse momento de silêncio, a vontade era sentir(TE) assim 

Apetece-me #49

Apetece-me um dia, uma tarde, uma noite de puro prazer,
Aquele prazer quase animal que não se controla
Que explode na alma, que arde e queima de desejo
Apetece-me transformar os gemidos em gritos ferozes
As palavras doces em palavrões intensos 
Os olhares meigos em devassos
As caricias em em tocares libertinos
Os pensamentos em actos
Apetece-me sentir aquele arrepio que percorre o corpo e se instala na alma
 … que explode em jactos …
Apetece-me transformar o sonho numa realidade

Apetece-me o mais puro sexo animal


Apetece-me 
Apetece-te??

domingo, 2 de julho de 2017

Eu te proponho #5




Noites de prazer, loucura crescente, desejos ardentes, corpos suados encaixados … delírios latentes … gemidos, gritos … procura constante … momentos sem fim ... 

(Aceitas??)

domingo, 18 de junho de 2017

LUTO

A mãe natureza decidiu mostrar que é ela que manda … em forma de castigo dizem alguns … lançou sobre o país uma neblina atroz acompanhada por relâmpagos monstruosos, ventos fortíssimos que dançaram em todos as direções, despertou a ira de um inferno que lançou as suas labaredas consumindo tudo o que encontrava no seu caminho … nunca tinha visto nada assim … nem mesmo quando os enfrentava … é difícil lutar contra a mãe natureza, ela é imprevisível, pelos relatos que li, pela imagens que vi sei que a resposta foi a adequando e a necessária … sei porque também eu um dia combati este monstro e na alma transporto as marcas da sua ira …

Os meus sinceros sentimentos às famílias das vítimas

E o meu muito obrigada a todos os Bombeiros que arriscam a sua vida no combate a este monstro

Fica a dica #4



Brinca ... Brinca ... 
e depois num te queixes  
JUST 

Saudades desse [A]MAR




É com doçura que lembro,
Essas tuas investidas contra o meu corpo,
Ocupavas em mim um lugar como nunca ninguém o antes o fez,
Foste muito mais além do que esperaria,
Enorme na importância e nos gestos,
Vejo o tempo passar e no meu olhar lágrimas de perda e saudade,
Saudade dos teus braços,
De contigo pela mão passear,
Dos nossos sorrisos,
De adentrar-me junto a ti naquele mar,
Daquela alegria desmedida,
Dos beijos dados e roubados,
Dessas vontades atrevidas,
Foste um ser metamórfico que acompanhei,
Passando por várias fases a teu lado
Até que por fim abriste as tuas asas e contigo voei,
Foi bom tudo quanto se passou,
Foi amor, amar
Foi tudo e tão pouco que dá vontade de repetir...
Mas agora que apenas foi fica a saudade
A saudade desse [a]mar


Saudades desse [A]MAR
De Leonardo Reis

16/06/2017

["obg pela inspiração mau feitio" quando se recebe um elogio destes é de nós alimentar o EGO ... o que uma simples foto faz ...]

sábado, 17 de junho de 2017

FUCK YOU


Sinceramente se é para foder que seja o corpo sem esquecer a alma ... que para me foder a cabeça já me basta a vida ... 


FUCK YOU
Paciencia tem limites
E a minha é muito curta


sexta-feira, 16 de junho de 2017

Apetece-me #47

Apetece-me pecar
Passar todos os limites
Provocar sensações
Viver emoções
Usar e abusar dos sentidos
Provocar os mais insanos desejos
Explorar o teu como se fosse uma selva emoções
Quero usar-te
Na plenitude dos sentidos
Dos desejos
Da paixão
Despertar em ti as emoções adormecidas
É isso quero loucuras contigo, imensas
loucuras aquelas onde as palavras não são
mais necessárias, porque o silêncio do sentir
é o diálogo mais apetecível, aquele diálogo que
ambos desejamos quando nos incendiamos
mutuamente.

Apetece-me pecar contigo

Apetece-te??

sábado, 3 de junho de 2017

Pensamentos Nocturnos #14


Apenas quero por um efémero minuto entregar-me…
Sem reservas, sem medos, sem receios.
Entregar-me por desejo…
Ultrapassar todos os limites do tempo…
Todas as distâncias e …
Voar, voar livre em pensamentos
Entregar-me inteira…
Aos teus beijos quentes …
Às tuas mãos suaves
A percorrer e descobrir os segredos do meu corpo…
Aos arrepios de desejo que sinto
Quando a tua boca quente toca a minha pele
Quero sentir o teu corpo sobre o meu…
Num efémero minuto,
Quando os nossos corpos não suportarem mais o desejo,
Sentir-te em mim…
E juntos … transformados num só corpo…
Chegarmos a um lugar onde somente nós poderíamos ir
Um prazer único…meu e teu…
Quero ser tua…
Num efémero minuto


*** Efémero é o tempo ***
*** Efémero é o sonho ***

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Desejo de (A)mar

Caminhava sem destino pelas ruas, procurando resolver o louco emaranhado de pensamentos que não a deixavam ver. Passou por avenidas, ruas, ruelas, andou em contra mão, parou. Na praia, naquela praia, sempre aquela praia...

«Não percebo, não entendo, é inexplicável, digam-me porquê?!?»
Soltou este grito desesperado, mas apenas obteve como resposta o choro das gaivotas e a rebentação furiosa das ondas.

Poderá alguém viver apenas da loucura da paixão? Era este o seu pensamento, aquele que confundia todos os outros e entrava em conflito com todos os desejos e sonhos que foi construindo. Desejava o politicamente incorrecto. O vermelho carmim, quando a sua vida devia ser de um branco cristalino. Odiava-o por ter entrado sem autorização na sua vida e por tê-la transformado em alguém que ela não conhecia e não queria ser.
Odiava-o porque tinha descoberto os seus caminhos, o seus segredos... Odiava-o porque sabia que agora mais ninguém saberia tocá-la como ele, viessem 10, 100, 1000 homens depois dele.
Odiava-o porque só ele sabia como fazê-la vibrar, enlouquecer, voar, feliz, sem medo das consequências e do que os outros pensam...



E de repente caiu a noite e ela já só conseguia ver a intermitência do farol. Já tinham passado horas desde que fugira dele, dos braços dele, dos lábios dele, do corpo dele e do que ele significava.
Tinha frio, estava gelada, quase inerte quando ele chegou.
«Sabia que te encontrava aqui...»
«Sabes... é que sou doida por ti...
...não posso fugir.»


Maio/2015